Anti-inflamatório reduz mortes por sequela de covid, diz estudo

Uma pesquisa divulgada nesta 5ª feira (12.mai.2022) relaciona que a inflamação durante a fase aguda de uma internação por covid-19 pode estar associada à mortalidade pós-recuperação. O estudo foi realizado pela Universidade da Florida em Gainesville (EUA) e foi divulgado na revista especializada Frontiers in Medicine.

Pacientes que apresentaram quadros graves de inflamação após a infecção por covid-19 — conhecida como tempestade de citocinas — tiveram o risco de morte 61% maior que pacientes com quadro moderado nos 12 meses seguintes.

Entretanto, a pesquisa encontrou em pacientes tratados com anti-inflamatórios durante 30 dias depois da alta hospitalar uma redução de 51% no risco de morte no período de 1 ano.

O estudo analisou durante 12 meses 1.207 pacientes diagnosticados com covid-19 durante 1º de janeiro de 2020 e 31 de dezembro de 2021.

Os pesquisadores analisaram a PCR (Proteína C Reativa) dos pacientes durante a fase aguda da doença. Os pacientes com a PCR mais alta tiveram maiores chances de desenvolver inflamação em outros órgãos. O risco foi associado a fatores como idade, raça, sexo e comorbidades.

O uso de anti-inflamatórios no tratamento hospitalar, no caso a dexametasona intravenosa ou via oral nos primeiros dias foi analisado. Diante disso, a pesquisa avaliou que a inflamação elevada logo no início da doença pode aumentar o risco de morte por qualquer causa, principalmente relacionada as sequelas da covid-19 em diversos órgãos. Entretanto, o tratamento com corticosteroide reduz esse risco pela metade.

Por Poder 360

VEJA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Banner lateral
Banner lateral
Banner lateral